Mauricio Nogueira Lima 1950

  
R$ 390,00
Pintura a nanquim sobre papel, assinada no verso Mauricio Nogueira Lima, célebre artista da primeira geração Concretista no Brasil, integrando em 1953, o Grupo Ruptura e participando de diversas mostras de arte concreta nos anos que se seguem.
 
Obra datada de 1950, com moldura, e acompanhando declaração de autenticidade de galeria paulistana com mais de 40 anos de atuação no mercado de arte.

Se desejar, podemos enviar a nota fiscal do leiloeiro, tornando completa a documentação de procedência (Clique aqui e inclua a NF em seu Carrinho de Compras).
 
Pagamento em até 12x.
 
Dimensões com moldura: Largura 37.5cm | Altura 38cm 
Dimensões da obra: Largura 24cm | Altura 24.5cm 
 

Biografia (Fonte: Enciclopédia Itaú Cultural)
Maurício Nogueira Lima (Recife PE 1930 - Campinas SP 1999). Pintor, arquiteto, desenhista, artista gráfico, professor. Aos dois anos de idade, muda-se com a família para São Paulo. Entre 1947 e 1950, estuda artes plásticas no Instituto de Belas Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS, em Porto Alegre. De volta a São Paulo, em 1951, freqüenta cursos de comunicação visual, desenho industrial e propaganda no Instituto de Arte Contemporânea do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand - Masp, onde conhece Alexandre Wollner (1928), Antônio Maluf (1926 - 2005) e Leopoldo Haar (1910 - 1954). A convite de Waldemar Cordeiro (1925 - 1973) integra, em 1953, o Grupo Ruptura e participa de diversas mostras de arte concreta nos anos que se seguem. Estuda arquitetura na Universidade Presbiteriana Mackenzie, em São Paulo, entre 1953 e 1957. Em 1958, é responsável pela criação da logomarca e programação visual da 1ª Feira Internacional da Indústria Têxtil - Fenit, em São Paulo e, em 1960, realiza as primeiras grandes instalações ambientais para indústrias automobilísticas no Salão do Automóvel. A partir de 1974, leciona, entre outras escolas, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAU/USP, onde conclui mestrado e doutorado na área de estruturas ambientais urbanas. Nas décadas de 1980 e 1990, realiza diversos trabalhos em espaços públicos, como a praça Roosevelt, largo São Bento, estações de metrô e no elevado Costa e Silva, todos em São Paulo.

Comentário Crítico
Mauricio Nogueira Lima estuda, entre 1947 e 1949, no Instituto de Belas Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Freqüenta o curso de comunicação visual e propaganda no Instituto de Arte Contemporânea do Museu de Arte de São Paulo, entre 1951 e 1956. Nesse período desenvolve trabalhos no campo da comunicação visual, ao lado de Alexandre Wollner (1928) e Antônio Maluf (1926 - 2005).

Na tela Composição 1, 1952, cria ritmos horizontais e verticais, apresentando incidências vermelhas e negras que se contrapõem à superfície branca do suporte. Gradualmente adere à pintura concreta, passando a integrar o Grupo Ruptura em 1955. Além do interesse pela disciplina construtiva, o artista dedica-se a uma crescente experimentação cromática, como na tela Sem Título, 1962, na qual apresenta, distribuídos sobre um fundo vermelho, pequenos quadrados em ocre, azul e verde. O uso das cores complementares faz com que a pintura apresente um grande efeito de vibração cromática. Já Objeto Rítmico n. 2, da década de 1970 é uma composição com formas geométricas regulares, que se alternam em amarelos e pretos. O conjunto, pela simetria e repetição de um padrão gráfico, oferece ao espectador a ilusão óptica de um movimento em espiral.

Em pinturas mais recentes, o artista explora ainda a oposição entre pequenas áreas de luz e de cor e amplas extensões cromáticas. Como aponta o artista plástico Claudio Tozzi (1944), as obras de Maurício Nogueira Lima são projetadas a partir de uma geometria sensível e executadas em gestos leves, revelando um trabalho intimista e reflexivo.

ARKEÔ - Garimpo Vintage oferecido por:
ARKEÔ - Garimpo Vintage
875 100%

Também gostou? Então compartilha!