Falar é morder uma epidemia, de Luís Serguilha

  
R$ 45,00
  • Frete grátis
Evidentemente, não se trata de uma obra de fácil leitura; a opacidade de sua espessura e o intricado da arquitextura de suas "línguas-mandalas-caleidoscópicas" criam grandes desafios ao leitor, instigando-o continuamente. A multiplicidade dos ritmos construídos, seu "movimento-maracatu", seu "frevo jazzístico", o "transe do inacessível de Boulez" impossibilitam o repouso, a estagnação. Diante desse livro, o "animal-leitor-sem-leme" se desnorteia, perdendo-se no labirinto traçado em suas páginas, para o qual não existe um fio a apontar a rota certa; o caminho, irradiante e proliferante, se constrói, então, na duração da própria re/des/trans/leitura, sempre múltipla e sem um ponto previsível de chegada. Assim, o inaudito "poema-Thaumazein" captura pelo assombro, pela perplexidade - sempre convites ao pensamento. A leitura da obra de Serguilha se instaura, portanto, como um combate com o caos e com o hermetismo do qual não se sai incólume. Em suas múltiplas dobras e desdobramentos, o texto serguilhiano constrói um diálogo com o barroco, não o barroco histórico, seiscentista, vincado pela Contrarreforma, mas com um conceito estético extemporâneo que é mencionado amiúde ao longo do texto.
Editora Reformatório oferecido por:
Editora Reformatório
11 55%

Também gostou? Então compartilha!